| p r e f á c i o |

|odiario.blog@gmail.com|

não tenho um filho perfeito

Enquanto aguardava na fila para pagar o abajur, um funcionário chegou com uma caixa de brinquedo vazia e disse que acabara de ser roubado, mas aquela conversa passou-me completamente ao lado. Depois de pagar, voltei para o carro e encontrei o piolho a chorar, fiquei aflita, o que teria acontecido? Naquela manhã, estivemos sempre bem, a correr e a rir, inventar chapéus com outros abajurs que não o que queria e agora encontro-o assim?

Mãe, fiz uma coisa que não devia ter feito e estou cheio de peso na consciência, eu sei que vais ralhar-me e castigar e também sei que mereço, mas eu não queria fazer aquilo e só fiz porque sabia que não valia a pena pedir, tu não irias aceitar

A conversa do funcionário dentro da loja começou a fazer sentido... O piolho roubou um brinquedo da loja e por isso me pediu para vir para o carro, que desespero
Eu queria tempo para pensar o que se faz numa situação destas, mas sabia que não havia muito tempo e era necessário tomar uma atitude. As hipóteses eram pôr o carro a trabalhar e sair daquele sitio, nunca mais lá voltar e pôr uma pedra sobre o assunto ou fazer o correcto e obrigar o filho a entrar na loja e assumir o que havia feito. Foi o que fiz! Peguei no Piolho pela mão e disse-lhes que uma vez que errou teria de assumir o que acabara de fazer, a única forma de assumir o erro seria voltar à loja e contar ao funcionário o que fizera e  assumir as consequencias da situação

Entrámos na loja e chamei o funcionário. O Piolho chorava e tremia, quando o funcionário se aproximou tirou do bolso o dito brinquedo
- Eu queria pedir desculpa por ter tirado e levado este brinquedo sem pagar, eu queria muito tê-lo, mas assim que pus no bolso percebi que não devia ter feito e não tive coragem de voltar atrás, queria pedir desculpa e dizer que não volta a acontecer
Fiquei com os olhos em lágrimas perante o desespero indefeso, apetecia-me abraça-lo e confortá-lo. O jovem funcionário não disse mais que - tudo bem, não tem problema

Não tem problema? Claro que tem, se não tivesse não teria voltado atrás e o meu filho não se sentiria desta forma. Quando saímos da loja outro funcionário, o mesmo que tinha encontrado a caixa vazia, veio ter connosco e pediu desculpa por se meter neste assunto, mas queria alertar para a conversa do colega
- Olha pequeno, não pude deixar de ver a tua aflição e apesar de não teres procedido da melhor forma, foi muito nobre a atitude de vires devolver e pedir desculpa, mas, ao contrário do que o meu colega disse "que não tem problema", tem sim, e grave! Tens problemas muito sérios se voltares a fazer isto em algum lado porque agora, e uma vez que esta foi a primeira vez eu não vou fazer nada, mas se isto repetir aqui ou noutro estabelecimento qualquer vais ter de te entender com a policia, o que fizeste foi roubo, quem rouba é ladrão e os ladrões vão presos, não queres isto para ti, pois não?

O Piolho baixou a cabeça e voltou a chorar, assustado que estava, após este "sermão". Tenho duvidas que volte a cometer o mesmo erro, uma vergonha.
Pelo caminho, de regresso a casa voltou a pedir desculpa e a mencionar o quanto se sentia envergonhado com esta situação e pediu-me só mais uma coisa, só mais uma... que não contasse isto nunca, a ninguém

6 comentários:

  1. Ás vezes é mais importante admitir o erro do que não o cometer. Teve a atitude de um pequeno adulto apesar de tudo =)

    ResponderEliminar
  2. Oh coitadinho. Aposto que ele não volta a repetir isso :)

    ResponderEliminar
  3. Acho que aprendeu a lição...

    ResponderEliminar
  4. Mãe Coragem e filho Coragem, um abraço!

    ResponderEliminar
  5. bahhhhhhhh
    já contaste aqui a toda a gente!

    :-))

    ResponderEliminar
  6. Muitos parabens pela tua coragem
    Muitos parabens pelo filho que tens, pela educação que lhe dás

    ResponderEliminar

*