| p r e f á c i o |

|odiario.blog@gmail.com|

Assim era Bocage.....


Conta-se que Bocage, ao chegar a casa um certo dia, ouviu um barulho estranho vindo do quintal.
Chegando lá, constatou que um ladrão tentava levar os seus patos de criação.
Aproximou-se vagarosamente do indivíduo e, surpreendendo-o ao tentar pular o muro com os seus amados patos, disse-lhe:
-Oh, bucéfalo anácrono! Não te interpelo pelo valor intrínseco dos bípedes palmípedes, mas sim pelo acto vil e sorrateiro de profanares o recôndito da minha habitação, levando meus ovíparos à sorrelfa e à socapa. Se fazes isso por necessidade, transijo... mas se é para zombares da minha elevada prosopopeia de cidadão digno e honrado, dar-te-ei com a minha bengala fosfórica bem no alto da tua sinagoga, e o farei com tal ímpeto que te reduzirei à quinquagésima potência que o vulgo denomina nada.
E o ladrão, confuso, diz:
-Doutor, afinal levo ou deixo os patos?

5 comentários:

  1. hahahahaha!!! ;-)
    Beijoca

    ResponderEliminar
  2. AHAHAH
    Isto fez-me lembrar uma brincadeira que fiz há uns anitos com dois amigos, no dia dos namorados. Escrevi-lhes duas cartas, que sabia que iam ler numa aula, quando fossem entregá-las aos respectivos destinatários. As cartas tinham um discurso deste género [agora acho que tenho uma certa veia de Bocage AHAH] e aquilo foi uma comédia :D Por ironia, as cartas foram entregues numa aula de Português e nem a professora conseguiu descodificar todo o palavreado da carta! :)

    ResponderEliminar

*