| p r e f á c i o |

|odiario.blog@gmail.com|

'o menor'

E Sra.Psicóloga da Segurança Social entrevista D.Piolho
Não sei exactamente o que lá se terá passado, foi rápida, mas deverá ter sido mais ou menos assim: D.Piolho [o cego] -queres ver?D.Piolho [o esfomeado] -queres comer?D.Piolho [o preguiçoso] -queres descansar? Ao que, meu pequeno e envergonhado Piolho assentiu sem pestanejar, assustado que estava e sem saber exactamente o que estaria ali a fazer, no meio daquela guerra que é da mãe e do pai, não dele. D.Piolho concordou com tudo o que Sra.D.Psicóloga sugeriu, respondeu afirmativamente a todas as perguntas, mesmo àquelas que queria ter respondido ao contrário, mas fê-lo de livre vontade. Valerá o encontro desta com a outra psicóloga-amiga-do-coração que já conhece a história, que semanalmente a revive e a trata por tu porque se por aqui ficássemos D.Piolho teria total liberdade nas decisões entre tempo de mãe e tempo de pai, D.Piolho passaria a viver onde bem entendesse, sem regras, sem obrigações e sem satisfações para dar. Mas não, não vou deixar que se esqueçam que este pequeno ser tem [APENAS] 11 aninhos e todo o direito de opinar, mas pouco [AINDA] para tomar decisões

6 comentários:

  1. Mas tem direito de opinar.

    ResponderEliminar
  2. dá-lhe a segurança e o colo que ele precisa. ele não pode ser arma em jogo de adultos!

    ResponderEliminar
  3. Tenho a certeza que saberás ser a Mãe que protege e não entraras em jogos de guerras...não te conheço mas pelo que tenho lido.
    São situaçoes demasiado complicadas que infelizmente eles tem que lidar!
    Força

    ResponderEliminar
  4. Claro que deve opinar, jamais decidir! beijo

    ResponderEliminar
  5. é mesmo verdade, ainda hoje tenho 18 anos e consciencia de que nem tudo pode ser como quero, e que enquanto não me sustentar sozinha tenho justificações a dar.
    Não sei como podem por tamanhas decisões nas mãos de crianças que tudo o que querem é, obviamente, brincar e não sentir o peso da responsabilidade de estudar, etc.
    Realmente o melhor a fazer (na minha opiniao) é mesmo lutar pelo que acredita, um dia tenho a certeza que o seu filho perceberá que tudo isto foi um grande gesto de amor.
    :)

    ResponderEliminar

*