| p r e f á c i o |

|odiario.blog@gmail.com|

à conversa com quem sabe

A psicóloga de querido-filho deixa-me incrédula com as realidades que às vezes não vejo, com aquilo que o futuro [me] reserva - e eu não sou de sofrer por antecipação - mas ponho em causa como é que um tribunal me irá obrigar a entregar o meu filho, que é meu filho desde o primeiro dia de vida, a uma família irresponsável, que mal o conhece e que o despacha para qualquer lado e se está nas tintas para os perigos ao nosso lado, aqueles que passam todos os dias na televisão e que não acontecem apenas aos outros, acontecem a quem tiver de acontecer, a quem se puser a jeito e até mesmo a quem se protege. Há perigos que não podem ser desafiados ou postos à prova! O meu filho vende-se por coisa pouca, um simples skate é suficiente, por mais que lhe fale em perigos -não tem noção! E nesta pequena cidade onde nada acontece, esta manhã uma senhora foi assaltada, no mesmo sitio onde o meu filho brincava no outro dia, e se fosse ele? O pai responde apenas que se responsabiliza, mas responsabiliza-se com o quê? Se for raptado? Se cair num vicio? Se for violado? Se lhe baterem? Que adianta a responsabilidade que ele diz assumir, mantendo-lhe a liberdade que lhe tem dado? MEDO! Muito MEDO! é o que sinto neste momento, hoje, agora... 

7 comentários:

  1. entendo perfeitamente os teus medos smile..nao sao exagerados são reais de uma mae que ama o seu filho acima de tudo.....
    beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Sabes, tens sempre duas opções.
    Ou resolves a tua vida.
    Ou escreves um livro baseado numa vida por resolver.

    ResponderEliminar
  3. Senta-te em silêncio.
    Fecha os olhos.
    Ouve o tic-tac do teu relógio de pulso.

    ResponderEliminar
  4. Com toda a razão tens esse medo!eu tambèm o teria,especialmente nos dias que correm..temos mesmo de ter medo por eles,mas sem ficarmos fechadas nesse medo!Fala com ele e tenta lhe explicar as coisas como elas são,assim quando for para o pai,se tiver de ir,pode ser que esteja mais aberto à realidade e tente ele pròprio se proteger mais das coisas que o pai não o protege..não sei,pode ser que consigas convencê lo dos perigos existentes à sua volta!
    boa sorte!

    ResponderEliminar
  5. Descobri há pouco tempo o seu blogue. Oh...mas mais vale tarde do que nunca!
    Eu tenho 2 filhos (4 e 7 anos) e também tenho medo, pânico há anos (o divórcio ocorreu qundo o mais pequeno tinha 4 meses) quando vão com o pai. Este tem uma noção distorcida de perigo vs segurança devido a uma perturbação psiquátrica. Porque é que os deixo ir??? Uma espécie de instinto...que pode estar redondamente enganado...
    Bjis,
    anabela

    ResponderEliminar

*