| p r e f á c i o |

|odiario.blog@gmail.com|

o (meu) In(f)verno quinzenal

Eis-me de fim de semana. De quinze em quinze dias tenho dois dias cinzentos mesmo que o sol continue a nascer, de silencio mesmo quando há outras crianças a rir à minha volta, e com um enorme buraco no peito mesmo que dele não corra sangue. Fins de semana de copo meio-vazio, são dias de dedicação à casa, arrumações, leitura e a não fazer nada, a não ser pensar, pensar às vezes demais, depois transborda e fico para aqui a matutar, episódios vividos que não me saem da cabeça nem puxados a saca-rolhas, já chorei e nem sequer ajudou ou aliviou, na volta abro uma garrafa de vinho e bebo até ter a mágoa afogada nos treze graus, ou fumo um cigarro daqueles que deixam os olhos pequenos e brilhantes mas acalmam a mente e fazem rir... Se calhar é disso que preciso