| p r e f á c i o |

|odiario.blog@gmail.com|

declaro encerrada {esta} sessão

esgotadas tentativas de acordo e paciência de quem lidou directamente com tudo isto, a lei mandou chamar o filho. Programei ao milímetro a noticia, com calma, sem assustar e incentivando para que nada temesse, tudo seria para bem do seu futuro mediante aquilo que sente e pensa, a conversa informal decorreria conforme combinado numa 'visita de estudo' ao tribunal com juiz 'guia turística', pensado para falar na véspera, salvaguardando o bem psicológico e a semana de testes que havia pela frente. Planos furados, este pai tomou a liberdade de contar a história, a sua história, a que assustou e enervou o filho ao ponto de afectar noites e deixar testes em branco. 
aconteceu. Não assisti ao passeio mas soube-me pela vida os elogios pela educação, respeito e a forma como descreve cada um dos seus pais, o deixar claro que, ao contrario do que sugeriram, esta mãe não incute filho contra pai. Como já aqui disse vezes tantas: atitudes revelam a pessoa e cabe a cada um decidir o que pensa ou sente. A lamentar ficou apenas a falta do pai mas lá está... as atitudess