| p r e f á c i o |

|odiario.blog@gmail.com|

a casa feita de sonho


“Leve como uma pluma, alta como uma torre, quente como um ninho e doce como o mel, assim imaginei desde pequenina a minha casa. Mais tarde, quando me encontrei só no mundo, como não tinha dinheiro, resolvi construí-la com as próprias mãos, fiz primeiro a casa de papel que era material barato, assim que ficou pronta vieram todos os ventos da terra e levaram a minha casa de papel, leve como uma pluma. Fiquei sem casa, mas não desisti. Pensei muito e fiz então a minha casa à beira mar, com areia da praia, que é também material barato, mal estava pronta, vieram todas as marés do mundo e levaram a minha casa de areia, alta como uma torre. Deu-me vontade de desistir, mas precisava de uma casa e sobretudo, não podia desistir do meu sonho. Resolvi fazer uma casa de madeira, cortei-a dos bosques com as próprias mãos, ficou linda, escondida entre a folhagem, mas ainda mal a tinha acabado, veio fogo do céu e queimou a minha casa de madeira, quente como um ninho. Chorei sobre as cinzas como se chora uma pessoa querida que morreu mas mesmo assim não desisti. Pensei muito, e resolvi fazer a minha casa de açúcar - De açúcar? Mas açúcar não é um material barato! - Pois não! Mas eu precisava de uma casa, e sobretudo não podia desistir do meu sonho, não acham? Trabalhei, lutei, passei fome para juntar todo o açúcar necessário e quando a minha casa estava pronta - eram de açúcar as paredes, o chão, o tecto, os móveis, as portas e as janelas, vieram todos os bichos da terra e devoraram a minha casa de açúcar, doce como o mel. Fiquei sem casa. E desisti de a construir com as próprias mãos. 
- E onde mora? 

- Onde moro eu? Sei lá! Vou pelo mundo. Aqui, além, no bosque, à beira mar
- Então não tem casa?! 
- Tenho, sim! Eu podia lá desistir do meu sonho!? 
Resolvi imaginá-la num sítio onde não chega o vento, nem o mar, nem o fogo, nem os bichos da terra, fiz a minha casa com o meu próprio sonho, ficou linda! Leve como uma pluma! Alta como uma torre! Quente como um ninho! Doce como o mel...”

Ricardo Alberty

3 comentários:

  1. Texto magnífico ...excelente partilha ...sempre um gosto passar por aqui!
    Bjs
    Maria

    ResponderEliminar
  2. belo perfeito , parabens

    ResponderEliminar

*