| p r e f á c i o |

|odiario.blog@gmail.com|

quando a chuva passar...

e correu tudo como pediste, no entanto essa cara de expressão triste vai-me matando aos poucos por dentro, o tudo que tens nunca é suficiente, o tudo que queres e te dão nunca chega, o tempo infinito que passas a fazer o que te apetece é sempre pouco. Em dose generosa destaco-te nesta fase a falta de vontade ou motivação que tens para tudo o que peço, seja pôr a mesa ou o passeio na tarde de domingo e eu sinto-me sempre tão impotente perante tanta insatisfação que vejo em ti. Eu sei meu amor que a tua vida é diferente, que vives no meio de uma guerra e ás vezes ninguém sabe lidar com isso, nem mesmo eu, que as coisas deixaram de ser como eram, como nós decidíamos porque uma lei tomou-nos conta da vida e daqui eu assumo toda a culpa, por ter exigido meia dúzia de tostões que nunca recebi ou receberei, por ti, para ti, porque confiei na justiça sem saber que ela na verdade não existe, porque me deixei pressionar e agora, que carrego ás costas as mesmas obrigações que tinha, sou ainda mandada por um papel que dita regras.
Eu sei meu amor que no fundo és feliz, és muito feliz, que amas a família que temos e por mais bens materiais que quisesses à tua volta, não trocarias para já esta mãe por nada deste mundo, mas estou cansada de te ver nesse mundo da lua, e eu cá em baixo na terra te chamo tantas vezes vezes demais tu vens mas no mesmo segundo voltas para lá. 
É a ultima semana de aulas e um peso de consciência pelo que não fizeste ao longo de todo o ano, são os exames que vão decidir e ditar o teu futuro, é esta instabilidade familiar que não é de todo fácil ou pacífica. É todo este molho de problema que é a vida e tu foste obrigado a descobrir tão cedo. É acima de tudo a minha impotência de mãe de primeira viagem, sem manual de instruções ou coordenadas gps. É a vida que é difícil e mesmo que se destaquem dela os muitos e bons momentos que felizmente temos tido, há sempre uma pedra que se atravessa no nosso caminho.

No próximo fim de semana voltamos a jogar aquele jogo parvo do 'empresta-filho' a alguém que nada te diz há mais de três semanas e te vem buscar para depois te depositar no sitio do costume. Estes últimos três meses que passaste só comigo fizeram-nos tão bem que o meu maior medo é que um mero fim de semana estrague tudo o que juntos temos andado a construir para ti

Eu sei que tudo isto passa, eu sei que esta distância faz bem a ambos, que o coração aguenta e fortalece, que fica mais forte e mais preparado para o futuro, eu sei tudo isto, só não sei, mas espero, fazendo uso destas palavras que quando a adolescencia passar tenhamos encontrado um amor diferente na forma mas igual na essencia

6 comentários:

  1. Meu Deus, como eu sei o que sente...Se aceitar um conselho esteja sempre disponível, esteja sempre no telemóvel, esteja sempre ao alcance do seu filho porque virá o dia em que o filho vai precisar de um porto de abrigo seguro e correr para si. Eu não confio na justiça há anos, é uma ingenuidade acreditar que os tribunais querem o melhor para os miúdos. Faça o que lhe ditar o coração. Só isso. :)

    ResponderEliminar
  2. ~inês
    Eu estou sempre disponível sim, e o filho sabe disso, e da justiça, pois, agora também sei

    ResponderEliminar
  3. No fundo no fundo, todos os pais querem o melhor para os filhos.Mas a vida torna-nos imperfeitos. A tolerância e compreensão são duas qualidades subvalorizadas, infelizmente.
    Um beijinho e força

    ResponderEliminar

*