| p r e f á c i o |

|odiario.blog@gmail.com|

treze anos (depois)...

esta noite, 
invadida por um sentimento estranho, 
como se estivesse a sentir tudo de novo

não durmo e refugio-me nesta sala silenciosa. recordo a entrada na sala de partos escura e fria. sozinha. havia muita gente à minha volta, todos certos do que tinham para fazer. todos, menos eu. estava ali porque tinha dores e o bebé que carregava na barriga queria nascer. não estava preparada, não o queria, mas nunca tive coragem para lhe virar costas, acabar com ele, deitá-lo fora. por momentos quis que tudo fosse um pesadelo mas era realidade, vivia-a há largos meses sempre parecendo mentira. como raio isto me foi acontecer? logo a mim! eu  sei como! naquela altura lembrava a carla ou a fátima  que lutavam há anos entre tratamentos e tentativas mas a puta da infertilidade vencia-as sempre e eu podia queria ser uma delas. o bebé nasceu e estava no meu colo, eu queria uma menina mas agora era indiferente. foi tudo tão rápido que pouco tempo tive para sentir dor. olhei-o melhor depois de limpo, careca, tão claro e tão frágil. seria eu capaz? e agora? vinte anos e um bebé?... tão mais filha que mãe. vamos a isso, não faltam forças, há braços e bengalas à minha volta, experiência, vontade, amor, há de tudo menos o que queria realmente a solução foi enganar-me, fingir que amanhã seria melhor, repeti-o tantas vezes, tantos dias que acabei por acreditar. amanhã chegou. demorou muito tempo, mas chegou

treze anos depois, nada do meu passado, comparado com o presente, faz sentido. hoje sou feliz, segura e orgulhosa, o sentimento que tenho pelo meu filho está acima de qualquer outro sentimento ou pessoa. é amor em estado puro e virgem. tenho o maior orgulho na criança que educo, sou a pessoa mais apaixonada que ele encontrará em toda a sua vida. hoje, treze anos depois volto a dar por mim perdida nos pensamentos a olhá-lo, tal como fiz há treze anos, com a diferença que nessa altura pensava n'o que vou fazer contigo e hoje sorri com aquilo que fiz de ti

um dia, quando o meu filho tiver paciência para se sentar ao meu lado à beira mar, numa esplanada ou no sofá da sala eu quero contar-lhe o que fez ele de mim quando eu não sonhava poder alguma vez fazer dele o que quer que fosse
Felizmente as mães também crescem

30 comentários:

  1. Anónimo11/29/2013

    A sério, como é que tu consegues escrever sentimentos?

    Admiro-te tanto

    Maria Manuela com um beijinho especial

    ResponderEliminar
  2. Fiquei comovida com o relato...tão honesto. Parabéns pela mãe que é.

    Ainda que certamente com condicionantes distintas, também me vi numa sala de partos sozinha, entrei na minha casa com a minha bebé e dei comigo a pensar o mesmo "e agora, o que vai ser de nós"? - tinha 32 anos e o peso de uma traição/abandono aos 7 para 8 meses de gravidez.

    Ainda só passaram 3 anos, mas sinto que consegui fazer mais do que alguma vez imaginei.

    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Anónimo11/29/2013

    Talvez o texto mais sincero que li nos ultimos tempos. Como é bom ter-te para ler
    Obrigada. Mickael

    ResponderEliminar
  4. Oh pá isto não se faz, eu maria rita, podia mudar o nome para maria madalena,

    Tenho-te no coração.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo11/29/2013

    Maravilhoso
    Maravilhoso
    Maravilhoso

    Muitos parabéns

    ResponderEliminar
  6. Anónimo11/29/2013

    Isso será sentimento de culpa?

    ResponderEliminar
  7. Hoje também faz 13 anos que a minha irmã mais nova nasceu. Já percebi que moras para os lados da Nazaré/S. Martinho... talvez te tenhas cruzado com a minha mãe pela maternidade. Ou mesmo comigo na altura das visitas :)
    Parabéns ao filho, pelo que fez de ti. Parabéns a ti, pelo que fizeste dele.
    Beijinho e bom fim de semana :)

    ResponderEliminar
  8. Anónimo11/29/2013

    Felicidades
    Tudo de bom

    * Sofia

    ResponderEliminar
  9. Parabéns :')

    pequenaflordemaracuja.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  10. Só li este texto hoje, por isso os meus parabéns atrasados.
    Parabéns, não só ao filhote e à mãe, mas à coragem para escrever um texto assim.


    Beijocas

    ResponderEliminar
  11. Só li este texto hoje,por isso os meus parabéns atrasados.
    Parabéns, não só ao filhote e à mãe pelo aniversário, mas pela coragem de escrever um texto assim.

    Beijocas

    ResponderEliminar
  12. Parabéns pela sinceridade e pela coragem :) beijo e boa semana!

    ResponderEliminar
  13. Amor em estado puro e dado a conhecer de forma tão bonita.
    Lindo e comovente como só uma mãe sabe.
    Parabéns... aos dois.

    Beijinho de mãe

    ResponderEliminar
  14. *
    ROGER

    Eliminei sem querer os seus comentários

    ResponderEliminar
  15. O sentimento que transparece no que escreveste é divinal.
    Só uma mãe que lê um texto de outra mãe é que sente o poder destas palavras..

    ;)

    ResponderEliminar
  16. Parabens... pelo aniversário do filho, pela mãe que és, pela forma como relatas todas estas etapas da vossa aventura!

    é por isto que gosto tanto, tanto de te ler....

    ResponderEliminar
  17. Muito obrigada a todos
    Em meu nome e do meu Piolho (filho)

    ResponderEliminar
  18. :)
    Lindo!
    Muitos parabéns
    E sim, não somos apenas nós que os fazemos a eles, eles fazem-nos como nunca imaginámos ser possível alguém nos fazer
    Felicidades aos dois!

    ResponderEliminar
  19. Que relato lindo e emocionante..não consegui ler sem chorar. Parabéns para o seu filho e para si que é uma super mulher.

    ResponderEliminar
  20. Anónimo12/03/2013

    Marabéns a todos

    ResponderEliminar
  21. Anónimo12/03/2013

    Desculpa, o que queria escrever era Parabéns

    Felicidades
    Beijinhos Maria Adriana
    Procura por mim no blogcoração

    ResponderEliminar
  22. Anónimo12/06/2013

    Que texto maravilhoso

    ResponderEliminar
  23. Tão lindo! Gostei muito de ler. Vejo que já foi escrito há algum tempo, mas tenho a certeza de que o sentimento se mantém (ou aumentou) desde essa altura. Parabéns a ele e a ti!
    Beijinhos

    ResponderEliminar

*